You are currently viewing Emissão de CAT, quando tenho direito a estabilidade?

Emissão de CAT, quando tenho direito a estabilidade?

Você, trabalhador, tem conhecimento sobre o que é emissão de CAT e quando ela dá direito a estabilidade? Sabia que esse tipo de informação é extremamente importante para quem exerce trabalho de carteira assinada e contribui para o INSS? Sobretudo para quem sofreu um acidente de trabalho.

Muitos direitos dos trabalhadores passam despercebidos pelo simples fato de que a população, muitas vezes, não tem acesso a informações importantes sobre as leis que regem o trabalho CLT.

Por isso, outras dúvidas comuns quando o assunto é a CAT acabam sempre aparecendo, como: quem é o responsável pela emissão da Certidão de Acidente de Trabalho, como ela funciona, como emitir e quais as consequências desse documento.

Neste texto, você vai conseguir sanar essas e outras dúvidas sobre a emissão de CAT. Continue a leitura e siga bem informado.

O que é CAT?

A Comunicação de Acidente de Trabalho ou CAT, como é conhecida, é um documento obrigatório que serve para comunicar ao INSS quando um trabalhador sofre acidente de trabalho, acidente de trajeto ou doença ocupacional.

O governo aproveita as informações das CATs recebidas pelo INSS para fins estatísticos e epidemiológicos, para identificar os riscos envolvidos em cada atividade laboral.

Vale ressaltar que nem todo tipo de acidente sofrido pelo trabalhador é considerado acidente de trabalho.

Para isso, a Lei nº8.213 de 1991 destaca como acidente de trabalho:

  1. Acidente Típico (é o que ocorre na execução do trabalho): Evento brusco, inesperado, traumático que atinge a integridade física do trabalhador. Uma queda, um corte ou qualquer situação que cause danos físicos ao empregado durante a jornada, no local e horário de trabalho.
  2. Acidente de Trajeto (é o que ocorre no percurso da residência para o trabalho ou vice-versa).

Além disso, podemos citar as doenças ocupacionais, que podem ser divididas entre doenças profissionais, em consequência de uma atividade específica realizada, e a doença do trabalho, desencadeadas em função das condições em que o trabalho é realizado.

Como emitir a CAT?

emissão de cat gera estabilidade

A emissão do CAT é obrigatória e deve ser feita pelo próprio empregador até o primeiro dia útil subsequente, contado do dia do acidente de trabalho ou da constatação de doença ocupacional.

Porém, uma exceção é quando o profissional acaba vindo a óbito por causa do acidente de trabalho. Nesse caso, a entrega do documento deve ser feita imediatamente.

Essa emissão deve ser feita mesmo em qualquer circunstância de acidente de trabalho, mesmo quando o profissional não será afastado das suas atividades laborais.

A emissão da CAT pode ser feita:

  • Por meio de um sistema próprio da empresa, caso ela tenha o módulo de SST;
  • Por meio do portal CATWeb, informando o número do Recibo do eSocial e gerando o relatório.

Para emitir a CAT, é necessário que o empregador tenha em mãos o código referente à atividade principal exercida, o CNAE – Classificação Nacional de Atividade Econômica. Essa informação é importante para ajudar a determinar o Grau de Risco da atividade exercida.

Quando a CAT gera estabilidade ao trabalhador?

Mas, afinal, a CAT gera estabilidade? Quando isso acontece? 

Segundo o artigo 118 da Lei n.º 8.213/91:

“Art. 118. O segurado que sofreu acidente do trabalho tem garantida, pelo prazo mínimo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa, após a cessação do auxílio-doença acidentário, independentemente de percepção de auxílio-acidente.”

Assim, a CAT gera estabilidade quando:

  • O profissional sofreu acidente de trabalho ou doença a ele equiparado (Doença Profissional e Doença do Trabalho);
  • O profissional recebeu o benefício de auxílio-doença acidentário do INSS;
  • O profissional foi liberado para voltar a trabalhar por alta médica, tendo o benefício do INSS cessado.

Vale ressaltar que quem teve acidente de trabalho, mas não foi afastado pelo INSS, não tem direito a estabilidade. Isso significa que para ter o direito é preciso ter ficado mais de 15 dias afastado.

O que significa essa estabilidade?

Quem chegou até aqui pode estar com dúvidas sobre o significado real dessa estabilidade.

A Súmula 378 do Tribunal Superior do Trabalho e a lei que já citamos determinam que, após sofrer acidente do trabalho, o profissional possui garantia da manutenção de seu contrato na empresa pelo prazo mínimo de 12 meses.

O que acontece por causa do atraso ou não emissão de CAT?

Conforme informamos, a empresa é obrigada a emitir a CAT e quando isso não acontece ela pode sofrer punições.

A não emissão da CAT pode acontecer por recusa ou por falha da empresa e quando ela não faz emissão ou informação do acidente dentro do prazo previsto está sujeita à aplicação de uma multa.

A multa emitida para atraso ou não emissão de CAT está amparada pelo decreto n.º 3.048/99. O valor da multa varia entre o valor mínimo e máximo do salário de contribuição, por cada acidente que não foi comunicado dentro do prazo.

  • Se a empresa deixa de fazer essa comunicação de acidente de trabalho dentro do prazo pela primeira vez, a multa aplicada será baseada em grau mínimo, por nunca ter acontecido antes.
  • Agora, se essa não comunicação for reincidente e a empresa agir dessa forma todas as vezes, será identificada que a empresa não quer agir conforme a lei e a multa será aumentada em duas vezes.

Para aplicação dessa multa, o INSS deve ser informado de alguma forma sobre o acidente, para que o órgão identifique que não foi feita a comunicação por parte da empresa da forma correta.

Dessa forma, o próprio acidentado, ou seus dependentes, o sindicato competente, o médico do segurado ou qualquer autoridade pública, podem formalizar a comunicação perante ao INSS.

Como fazer valer os direitos quanto à CAT?

É importante ressaltar que a comunicação de acidente de trabalho é um direito de todo trabalhador empregado que contribui para o INSS.

Como entrar na justiça com relação à Previdência Social requer um certo tipo de conhecimento técnico, é muito importante que você faça a ação contando com a ajuda de um especialista.

Sempre conte com um advogado trabalhista para te ajudar nesse processo, solucionar suas dúvidas e tomar as decisões mais acertadas.

Para isso, conte com a ajuda da equipe indicada pela Quero Meus Direitos. Converse com nosso atendimento online e saiba como podemos te ajudar.

A Quero Meus Direitos

Somos um meio ágil, simples e sem custo de solução de conflitos

Conectamos consumidores e trabalhadores, que tiveram seus direitos lesados a advogados especializados, através de um modelo ágil, descomplicado, sem custo de solução de conflitos.


Siga nossas redes sociais e não perca nossos conteúdos importantíssimos sobre os seus direitos:

Deixe um comentário