You are currently viewing Motorista do UBER é empregado
Motorista Uber tem direitos trabalhistas

Motorista do UBER é empregado

A DECISÃO

Decisão da Justiça do Trabalho de São Paulo reconhece vínculo de emprego entre motorista parceiro e a Uber do Brasil.

No processo, um motorista do aplicativo buscou a Justiça do Trabalho de São Paulo para que fosse reconhecido como empregado da empresa.

A Uber, em sua defesa, afirmou que não atua como uma empresa de transporte, mas que tem como atividade principal a exploração de uma plataforma tecnológica.

O PROCESSO

O acórdão do processo 1000123-89.2017.5.02.0038 da 15ª Turma do TRT-2 de relatoria da Desembargadora Beatriz de Lima Pereira entendeu que o motorista do aplicativo tinha razão e não poderia considerar o trabalhador como autônomo ou parceiro da Uber.

  • Controle da concretização do serviço de transporte pela empresa;
  • Definição do preço a ser cobrado pelo motorista e do percentual a ser destinado a ela, pela própria Uber;
  • Apesar da possibilidade do motorista oferecer desconto, a taxa a ser paga à empresa permanece inalterada e baseada no preço inicial;
  • Permanência no aplicativo condicionada às avaliações feitas pelos usuários do serviço de transporte;
  • Utilização de mecanismos indiretos para obtenção de disponibilidade

Dando continuidade a Relatora destaca que a análise da subordinação precisa considerar o cenário tecnológico e avaliar aspectos além do modelo clássico de subordinação:

“O exame de demandas que envolvem os novos modelos de organização do trabalho deve se dar à luz das novas concepções do chamado trabalho subordinado ou parasubordinado, especialmente considerando o avanço da tecnologia.”

DECISÃO SEMELHANTE

Da mesma forma, em decisão semelhante, proferida pelo MM. Juiz do Trabalho, Dr. Eduardo Rockenbach Pires, nos autos do processo n.º 1001492-33-2016-5-02-0013 ficou entendido que:

“A ré oferece no mercado um produto principal: o transporte de passageiros. O aplicativo é um instrumento, um acessório ao bom funcionamento do serviço. E os consumidores da ré não são os motoristas, mas sim os passageiros.”

A fundamentação da decisão é exatamente aquela utilizada pela justiça trabalhista brasileira, diariamente, na condenação de centenas de outras empresas, ao reconhecer, rotineiramente, milhares de vínculos empregatícios em situações fáticas bastante similares àquela havida entre a Uber e seus parceiros.

CONCLUSÃO

Enfim, considerando-se que há um quadro de pelo menos 600.000 (seiscentos mil) motoristas cadastrados em território brasileiro, com 22.000.000,00 (vinte e dois milhões) de usuários ativos, a possibilidade de se formar jurisprudência com base na decisão proferida em São Paulo merece ser acompanhada de perto.

Se precisar de auxílio, conte conosco: Acesse nosso site